agrupamento independente de pesquisa cênica

Composto atualmente pelos artistas pesquisadores Clóvis Domingos, Flávia Fantini, Frederico Caiafa, Idelino Junior, Joyce Malta, Leandro Acácio, Lissandra Guimarães, Matheus Silva, Nina Caetano, Nildo Monteiro, Sabrina Batista Andrade, Sabrina Biê e Wagner Alves de Souza, o Obscena funciona como uma rede colaborativa de criação e investigação teórico-prática sobre a cena contemporânea que visa instigar a troca, a provocação e a experimentação artísticas. Também participam dessa rede colaborativa obscênica os artistas Admar Fernandes, Clarissa Alcantara, Erica Vilhena e Saulo Salomão.

São eixos norteadores do agrupamento independente de pesquisa cênica, o work in process, os procedimentos de ocupação/intervenção em espaços públicos e urbanos e os procedimentos de corpo-instalação, além da investigação de uma ação não representacional a partir do estudo da performatividade e do pensamento obra dos artistas plásticos Artur Barrio, Hélio Oiticica e Lygia Clark.

Atualmente, o Obscena desenvolve o projeto Corpos Estranhos: espaços de resistência, que propõe tanto trocas virtuais e experimentação de práticas artísticas junto a outros coletivos de arte, como ainda a investigação teórica e prática de experimentos performativos no corpo da cidade. Os encontros coletivos se dão às quintas-feiras, de 15 às 19 horas, na Gruta! espaço cultural gerido pelo coletivo Casa de Passagem.

A criação deste espaço virtual possibilita divulgar a produção teórico-prática dos artistas pesquisadores, assim como fomentar discussões sobre a criação teatral contemporânea e a expansão da rede colaborativa obscênica por meio de trocas com outros artistas, órgãos e movimentos sociais de interesse.

terça-feira, junho 30, 2015

Desconforto novo para problema antigo

Série de ações do programa performativo: “Desconforto fresco para problema antigo”.


Tudo começou de conversas sobre o momento atual: violência, intolerância, policiamento do pensamento. Desejo urgente de manifestações para questões que nos incomodam. Serão tempos obscuros e perigosos? A banalidade do mal? O que a arte como ação política tem a ver com tudo isso? Pequenas performances contra a barbárie. O que te incomoda? Sair dos nossos cômodos para habitar nossos incômodos.

Programa: Cada obsceno escolhe algum fato/tema/questão atual que o incomoda. Crie uma ação/proposição individual ou coletiva. Traga materiais para a realização da ação.

No encontro seguinte, 18 de Junho fizemos uma roda de desejos e partilhamos nossa táticas artivistas. Foram escolhidas três ações para serem realizadas naquela tarde.

Nina Caetano e Wagner Alves decidiram abordar a questão da violência contra as mulheres e os homossexuais. Tatuar pela força da escrita no corpo da cidade os nomes, imagens e textos sobre vítimas. Eu propus uma ação coletiva sobre a possibilidade da vadiagem, da preguiça, da recusa à ideologia da produtividade ininterrupta.


Escritas da revolta



Uma mulher parou para ler um texto-manifesto de Nina e afirmou: “essa pessoa deve estar muito revoltada”. No chão, nas paredes, nos postes da rua, escritas de revolta e memória. Cruzes com nomes de mulheres assassinadas. Ação como exumação. Retirar momentaneamente do esquecimento pessoas como eu e como nós. Não aceitar passivamente essa anestesia da nossa possibilidade de nos indignarmos. Escrita como grito, desabafo e denúncia. Tentativa de romper com nossa indiferença cotidiana. “A dor da gente não sai no jornal”.

A via crucis do menino Rafael Barbosa, morto porque queria ser estilista. Wagner caminha com a imagem da vítima. Na passarela do metrô os últimos passos até à morte. Grafar uma vida interrompida pelo preconceito e ignorância. Mais uma escrita da revolta. Mais uma cruz. Crucificados. Daí nossa revolta. “Revolvere”: do latim, revolver. Revolver injustiças, não sedimentá-las. Não deixar como estar.

Daí pequenas ações. Ações diretas: “Não esperar. Recusar aqui e agora a colocar em stand by nossa revolta de aqui e de agora, seja por respeito à lei, seja por esperara a Grande Noite, seja por confiança na lenta marcha do progresso” (Morjane Baba, 2003).


A violência da produção excessiva

Amarrados por uma corda. Corpos contidos. Estados de relaxação? Isso é vadiagem. A memória de nossa ancestralidade indígena que se negou a trabalhar e produzir para os colonizadores e foi denominada “cultura da preguiça”. Em 1838 tivemos o documento “Os Corpos dos Trabalhadores” no Pará, cuja lei criminalizava a ociosidade dos nativos e mestiços. Tornou-se pecado capital. A história do Brasil é uma história de violência. Busquei essa imagem e a trouxemos para a rua. Escutei: “quem não está hoje com a corda no pescoço”?

Eu sei quem está: o negro, a mulher, o transexual. Aqui em Pindorama a violência chegou com a colonização e depois se efetivou com a escravidão do povo africano. Continuou, séculos depois, com as ditaduras governistas e hoje se atualiza com a polícia militarizada e uma sociedade de privilégios que clama por vingança ao pedir a redução da maioridade penal e o extermínio dos pobres. Como afirma Maria Rita Kehl: temos uma longa tradição de violência social. Ela nos é tão íntima, que já se tornou naturalizada.

Entre o que foi, o que é e o que poderá ser, resta-me mais do que a utopia de uma grande mudança causada por uma pequena ação artística e de protesto, resta-me a persistência de me manifestar, de não me encolher, de não calar, de não aceitar as coisas como elas estão.








terça-feira, junho 23, 2015

Cidade e muros

O mais novo texto da jornalista e escritora Eliane Brum "Mãe, onde dormem as pessoas marrons?" vale à pena ser lido por trazer a tona a questão do espaço público e sua "condominalização". Tal leitura me lembrou a ação KASA KIANDA dos pesquisadores Saulo Salomão e Leandro Acácio.

Sim, eu acredito numa cidade sem muros e aberta aos encontros e trocas!



"Uma sociedade de muros sempre vai precisar forjar monstros para seguir justificando a desumanização e o sistema não oficial de castas. Aqueles que tentam se sentir seguros e criar seus filhos em segurança não estão inseguros porque há um outro ameaçador do lado de fora. Essa é só a aparência que mantém tudo como está. O que precisamos não é erguer muros cada vez mais altos, mas derrubá-los e nos misturarmos nas ruas da cidade".

(trecho retirado do texto de Eliane Brum. Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/06/22/opinion/1434983312_399365.html).

sexta-feira, junho 19, 2015

VIA CRUCIS

1- Ele foi condenado a morte.

2- Ele carregou uma cruz.

3- Apedrejaram os seus sonhos.

4- Ele caiu.

5- Foi despojado de suas vestes.

6- Foi pregado na cruz.

7- Morreu na cruz.









RAFAEL BARBOSA DE MELO
14 anos

ASSASSINADO COM PAULADAS E PEDRADAS.
SONHAVA SER ESTILISTA.

quinta-feira, junho 18, 2015

conversa pelo facebook com clóvis

que delícia a ação de hj, meu lindo
do precário, do sem propósito, do despropósito

Sim. Estou mexido


Sim

Foi forte
do simples, do sutil, do pouco, do nada

Lá vem você e um texto

Kkkkkk

Do menor

os esgotados,

Sim

Isso me interessa

O pequeno

O sutil

O que não quer vencer nada

Ações mínimas
o escracho produzido no que tinha em mãos

O possível

O imanente
o leve, o casual, pequinique festivo, bobiças deliciosas, qualquer um pode fazer aquilo, o sem Especialidade

Sim. O inusitado

O experimental

O não sabido

O vivido

Envolvidos

Pronto

Temos um texto
um manifesto de menos
!!

Pronto
ótimo

Pode publicar
feito a duas mãos

Sim

Multiplicidades

Afetaçoes

Manda ver
vou copiar e colar lá!

Bacana

Tem imagens?
eu não

Vou te enviar
perfeito

Pro teu email




Fotos: Paulo Maffei